Álvaro Covões: «Fui eu que organizei o primeiro espetáculo da Amália em nome próprio no Coliseu»

1259_alvarocovoes01

Publicidade

O percurso até se tornar num dos principais organizadores de festivais de música e espetáculos em Portugal foi tudo menos linear. Álvaro Covões conta a sua história.

A família é proprietária do Coliseu dos Recreios de Lisboa. O bisavô chegou a gerir o Teatro São Carlos. É daí, desses genes, que nasce o gosto pela organização de espetáculos – e foi nessa área que deu os primeiros passos profissionais. Mas, antes de criar festivais de Música – nomeadamente o Nos Alive, que arrancou na quinta-feira – Álvaro Covões estudou gestão de empresas (e não medicina, como os pais queriam) e passou pela banca. Perceber de mercados financeiros dá-lhe uma bagagem excelente para gerir um negócio de milhões.

 

Como é que um corretor acaba neste mundo da produção de espetáculos?…
Trabalhei nos mercados monetários, era um money market dealer. Comprava e vendia dinheiro.

Dos bancos?
Sim. Os bancos, tal como nós, também têm o seu dinheiro numa conta, neste caso do Banco de Portugal. Essa conta nunca pode estar negativa. O mercado funciona assim: quando não há, tem de se ir comprar. Que é pedir dinheiro emprestado, no fundo. Eu comecei na música, já sou quarta geração nesta área, mas fui educado para trabalhar em todas as áreas menos nesta. Só que estava no sangue.

A sua família é dona do Coliseu dos Recreios… Como foi a sua infância, os primeiros concertos que viu serem organizados e promovidos?
Nasci nisto, portanto, não sei precisar qual foi o primeiro concerto. A minha família estava realmente ligada ao Coliseu de Lisboa e portanto eu nasci no caldeirão… Sempre vi de tudo, desde ballet clássico, ballet moderno… Quando era miúdo, havia também os festivais de folclore organizados pela Gulbenkian, uma coisa que se fazia antes do 25 de Abril, muito famosos. Havia ainda ópera… E quando começou, claro, acompanhei tudo dos primeiros concertos de rock.

Qual foi o primeiro grande concerto que viu que o tivesse marcado?
Há sempre vários momentos. Lembro-me, era muito miúdo, do primeiro Circo de Moscovo, que veio cá, salvo erro, em 1971. Foi um grande sucesso porque na altura toda a gente ia ver os comunistas. Ninguém sabia o que era um comunista, era como se fossem um bicho. Era uma companhia absolutamente extraordinária. Mas houve outros que sempre me marcaram, obviamente. Como as grandes noites do fado.

O grande espetáculo do Coliseu, todos os anos.
Aquilo era uma mostra do que se fazia em Portugal. Desde o teatro corista… toda a gente participava. Lembro-me que as companhias, depois de terminarem no Parque Mayer, desciam até aos Restauradores, iam ao Coliseu. Eu vi tudo, desde o Max, Hermínia Silva, Amália, toda a gente passava por ali. Era um privilégio ver toda a gente que interessava na mesma noite. Além do fado, que foi sempre uma coisa que me marcou. E depois apanhei as fases todas: em 1981 começa o furor da MPB [Música Popular Brasileira], Gilberto Gil, Maria Bethânia, Ney Matogrosso, vieram todos. E o Coliseu, na altura, marcava a agenda desses grandes espetáculos. E depois, também a música portuguesa: os Tantra, o último espetáculo do Zeca Afonso, emotivo. E tive privilégios. Por exemplo: fui eu que organizei o primeiro espetáculo em nome próprio da Amália, no Coliseu.

Que idade tinha?
Já estava na faculdade. Deve ter sido em 1985, portanto, teria 22 anos. Tinha uma pequena empresa de organização de espetáculos com o meu pai, a ideia foi minha. Fazia-me confusão, porque via tantas vezes a Amália e ela nunca se tinha apresentado em nome próprio no Coliseu. Lançámos o desafio, ela aceitou e foi um renascer. De repente, toda a gente a descobriu. Fizemos uma conferência de imprensa em casa dela… contratámos uma pequena agência de comunicação para trabalhar connosco. Uma novidade! E era a Teresa Guilherme! Os jornalistas perguntavam: «Dona Amália, já vimos que a senhora vai à Holanda. Canta para a comunidade?», «Não, menino, eu canto para os holandeses.» «Mas ó Dona Amália, vai três vezes por ano à Holanda! Há assim tantos emigrantes?», «Menino, já lhe disse, quando vou ao estrangeiro canto para os locais. Pode haver alguns portugueses, mas a maioria é local.» «Mas ó Dona Amália, vai ao Japão? Não há lá emigrantes!» E depois os jornais, finalmente, descobriram uma artista que era verdadeiramente internacional, mas que em Portugal ninguém ainda falava nela.

Fale-me das quatro gerações da sua família ligadas à produção de espetáculos. Como é que tudo começa, sabe?
Sei muito vagamente. Foi com o meu bisavô, mas não sei como é que ele vai parar a esta área, ele passou pela política. Na altura chamava-se secretário, era chefe de gabinete do Bernardino Machado, presidente da República. E foi deputado à primeira Assembleia da República. Nós até temos um salvo-conduto assinado por um ministro da Primeira República, no dia 5 de outubro de 1910, a requisitar um automóvel para ele. Foi também coautor da lei das oito horas de trabalho, da Primeira República. Sei que chegou a explorar o Teatro de São Carlos, porque não havia dinheiro e, na bancarrota, optou-se por fazer aquilo que é correto: tratar dos bens essenciais e prescindir de outros. Depois acaba por entrar no Coliseu, comprando grande parte das quotas. Os teatros na altura eram privados, mesmo o D. Maria, que tinha sido estatal, era da família Rey Colaço. Quando não há dinheiro, não há vícios no Estado!

Daí esta sua paixão?
É genético! Bisavô, avó, o meu pai e eu.

A avó?
Sim, sim. Temos uma ligação permanente a esta cultura de espetáculos. Ainda por cima diversificada, desde o circo até ao clássico, passando pelo rock, pela MPB, música popular portuguesa.

Com essa infância sempre ligada à música, como é que depois vai fazer um curso de Gestão?
Os meus pais queriam que fosse médico.

E você, o que queria ser?
No nono ano escolhi a opção saúde, mas foi aí que percebi que medicina não era para mim. Puseram-me no Hospital de Santa Maria a ver uma operação… Mas tinha uma cadeira de introdução à economia e como foi a melhor nota que tirei…

Foi aí que decidiu ir para Gestão?
Sim. Tive uma pequena zanga, porque era mais ou menos autossuficiente. Fui para a faculdade e não disse a ninguém, disse que tinha chumbado. Só quando passei para o segundo ano é que disse que estava na faculdade, Gestão. Hoje é moda, não é? Durante muitas gerações havia a cultura de estudar para ter um emprego, não havia uma cultura de pessoas que têm espírito de iniciativa, mas agora está na moda…

A dos empreendedores?
Empreendedorismo, sim. É uma coisa que não se ensinava na escola.

A zanga familiar, foi séria?
Já não me lembro o que é que foi. Algo demasiadamente formatado para seguir um caminho que eu não queria. Temos de seguir aquilo que sentimos. Mas isto acaba sempre bem. Essas coisas só funcionam mal quando, sei lá… Se eu fosse um vadio, se eu quisesse viver de mesada e não fazer nenhum, aí acredito, que tivesse sido séria. Mas nunca foi esse o caso. Sempre gostei de trabalhar. E tive o privilégio de começar a trabalhar cedo, por opção própria!

É típico as famílias não quererem que os filhos sigam carreiras menos ortodoxas…
Sim, na época não era uma vida normal, das nove às cinco. Durante muitos anos estas áreas foram mais boémias. A sociedade era mais controlada, e estas eram as áreas mais libertinas. Hoje em dia a sociedade é aberta, é tudo igual. Na época, era uma vida mais incerta, não estabilizada. As artes são todas assim.

Na adolescência já era rebelde?
Fui rebelde, sim. Mas também fui um privilegiado, tive oportunidade de ver, por exemplo, como é que viviam os artistas de Leste, dos países comunistas, que afinal aquilo que diziam não era tudo mentira. Eles, quando vinham ao Coliseu, não tinham liberdade nenhuma, nem tinham dinheiro, só andavam com moedas, nada de notas, não podiam sair sozinhos, só em grupo, eram maltratados. Uma escravidão. E numa fase em que havia uma mentalização pró-comunista na sociedade portuguesa, imediatamente fui para o outro lado, porque aquilo não fazia sentido. Mas só porque conhecia uma verdade que toda a gente desconhecia.

Ganhou aí essa consciência?
Sim, percebi que o Ocidente era o único regime verdadeiramente livre e democrático. Mas é engraçado que a minha família, se calhar está-me também no sangue, esteve sempre na oposição. Antes do 25 de Abril éramos mais ou menos perseguidos, depois do 25 de Abril também. Quer dizer, estávamos sempre ao contrário. Sempre ouvi falar baixinho em casa antes do 25 de Abril, falar baixinho depois do 25 de Abril. Era um bocado estranho.

Disse que antes de ir para a faculdade já era autossuficiente. Como?
Comecei desde muito novo a poder trabalhar. Trabalhava no bar do Coliseu, desde os 14 anos. Como os espetáculos acontecem em horários desencontrados das aulas, até ao segundo ano da faculdade sempre trabalhei a vender cervejas e a ganhar o meu dinheiro.

E ganhava já o suficiente para viver?
Sim, claro. Nem precisava de mesada. Tinha muitos espetáculos, trabalhava muitas vezes, era porreiro. Na cultura portuguesa… não há esta coisa de pôr os miúdos a trabalhar, o que me faz uma confusão… Às vezes tentava trazer colegas meus, de liceu, eles tinham vergonha. Temos este preconceito, achamos que servir alguém… A pessoa não consegue perceber que quando está a fazer uma função, seja qual for, está a servir alguém. E que lá porque estão a servir alguém, não são servos de ninguém. Às vezes era chato, as pessoas diziam «será que, coitado, tem de trabalhar?». Felizmente, não foi por necessidade. Comprei a minha primeira máquina fotográfica! Os ténis Sanjo… Ia de férias, o meu pai perguntava se precisava de dinheiro, eu dizia que não, obrigado.

O que é que a Gestão lhe deu em termos de aprendizagem?
Uma coisa absolutamente extraordinária: aquilo que nos ensinam é senso comum. Batia tudo certo.

Continua a usar, então, esses princípios que aprendeu na faculdade?
Sim. Claro! Aprendi coisas fantásticas.

E nos mercados financeiros, qual a aprendizagem que ainda aplica?
Nós tínhamos uma associação, o Forex, que ainda existe. Tem dez mandamentos e o primeiro é a palavra. É uma profissão que tem uma adrenalina fora do comum. Conseguia falar com três pessoas ao mesmo tempo, sabendo o que é que estava a fazer com cada uma. Durante sete anos fiz milhares de negócios e nunca ninguém disse que não foi bem assim. Tudo ao telefone, sem ser gravado. E isso é uma experiência única. Passamos a vida a ouvir falar de tangas, há muita gente a contar histórias, há muita gente a dar o dito por não dito. Nós éramos yuppies, ganhávamos muito bem, mas tínhamos o respeito profissional. Só ouvi uma história de alguém que disse que não foi bem assim e nunca mais ninguém fez negócio com ele na vida.

Quando precisa de dinheiro, os bancos emprestam-lhe? Mesmo com o mercado como está?
Emprestam. Há ocasiões em que peço e a nós emprestam. A banca ainda tem de fazer negócio, senão acabava.

[Esta entrevista foi originalmente publicada a 7 de julho de 2013.]

 


Leia a continuação da entrevista ao organizador do NOS Alive:

Álvaro Covões: «Os festivais de música fazem bem, são terapia de grupo»

Álvaro Covões: «Os artistas são profissionais de alta competição»

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.