OPINIÃO

A chave para a prática de exercício?

Motivação.

Sabemos que o exercício é essencial para manter ou melhorar a saúde, mas a verdade é que saber isso nem sempre é suficiente.

Os estudos dizem que cerca de metade dos que iniciam um plano de exercício desistem em menos de seis meses. Muito trabalho, compromissos familiares, falta de tempo e cansaço são apontados como as principais razões para a desistência. Como se contraria
isto? Com motivação.

A motivação tem sido um dos temas mais estudados na psicologia do desporto, porque é um fator determinante de sucesso. É nela que reside a chave não só da decisão de iniciar um plano de atividade física como da prevenção do abandono.

A motivação é o mecanismo interno que nos leva à ação, ou seja, que define a direção, a intensidade e a persistência de um certo comportamento. E, sendo em parte inata, nem sempre é espontânea, o que quer dizer que às vezes temos de nos ajudar a ter vontade de fazer aquilo que nos é mais benéfico, no caso, fazer exercício.

São várias as teorias comportamentais de definem uma abordagem à motivação. Uma das mais conhecidas, e consensuais, é a teoria da autodeterminação, desenvolvida pelos psicólogos Edward L. Deci e Richard M. Ryan, e que tem vindo a ser atualizada por investigadores de todo o mundo. Defende que a motivação é uma construção regulada por fatores biológicos, cognitivos e sociais e preconiza que a base do comportamento autodeterminado passa pela satisfação de três necessidades psicológicas: a de competência, que reflete a necessidade de reconhecermos em nós alguém que «sabe fazer»; a de autonomia, relacionada com o controlo da pessoa sobre a realização de dado comportamento; e a de vínculo, que estabelece como determinantes as relações interpessoais associadas à atividade.

Encontram‑se aqui muitas pistas sobre como podemos ser bem‑sucedidos, porque mesmo sendo parte da motivação intrínseca, há condições contextuais ou sociais que podem servir de gatilho e facilitar o processo, e outras podem prejudicá‑lo.

5 DICAS PARA MANTER A MOTIVAÇÃO

1 SABER ESCOLHER O PROGRAMA DE TREINO
Opte pelo mais compatível consigo. Experimente várias atividades, para ver a que lhe agrada mais. Uma vez escolhida, vá diversificando o treino, para não se acomodar.

2 DEFINIR OBJETIVOS
O que pretende com a prática de exercício físico? Emagrecer, ter maior resistência, melhorar o estado de saúde? Ter objetivos bem definidos e sentir que está a alcançá-los é essencial.

3 INCLUA O EXERCÍCIO NA ROTINA
Torcemos o nariz a tudo o que não está programado e adiamos tudo o que não tem dia e hora marcados. Por isso, integrar o exercício na rotina é uma das melhores formas para cumprir.

4 RODEIE-SE DE BOA COMPANHIA
Ter um personal trainer, um companheiro de exercício ou estar num fórum sobre a modalidade são formas de partilhar objetivos e hábitos, e isso constitui uma influência positiva.

5 CELEBRE CADA VITÓRIA
Um quilo a menos, mais resistência numa corrida ou valores mais saudáveis nas análises de rotina são razões suficientes para celebrar. E dar um prémio a si próprio.

Fotografia: Corbis